Sobre os noivos

...

   Leonardo viu Ligia pela primeira vez quando tinha quinze anos, em uma festa no salão de um edifício em Icaraí. Sentada em um sofá redondo onde caberiam mais cinco pessoas, Ligia estava sozinha, destacada entre mil, usando o que Leonardo insiste ser um vestido verde, e mesmo que ela hoje diga que acha ter sido um azul, para ele será sempre verde. Seus cabelos estavam jogados em cima dos ombros enquanto inclinada na direção do copo ela puxava por um canudo colorido uma bebida colorida, sempre com seu ar desatento/charmoso que ao passar de quinze anos permaneceu imutável. Nesse dia ele foi para casa pensando nela; depois ficou oito ou nove anos sem ver aquela menina que quando sorri abre parênteses sinceros no rosto. Até que...

   Ligia conheceu Leonardo no apartamento onde ele morava dentro de um edifício em Icaraí. Sentado no sofá de sua casa, cercado de amigos. Provavelmente ele bebia uma cerveja quando ela encabulada atravessou a porta apertando com as mãos a alça da bolsa pendurada no ombro. Quando ela se apresentou para quem já a conhecia, Leonardo perguntou se seu nome era por causa da música do Chico. Ligia o corrigiu e disse que a música era do Tom. Desconfiado, Leonardo franziu a testa e perguntou se ela tinha certeza. Foi assim que ele descobriu que Ligia nunca fala sobre coisas que não sabe, portanto, se ela insiste em algo, existem 99,79% de chances dela estar certa (o vestido devia mesmo ser azul). Naquela noite eles conversaram mais um pouco, talvez sobre música, ou sobre o quão alto ficava a varanda do apartamento onde estavam. Mas não remexeram no passado, nem visionaram um futuro. No fim foram dormir sem pensar um no outro.

   Como a vida usa de artimanhas movediças para pouco a pouco concluir seus objetivos, Leonardo (que com o tempo virou Leo) e Ligia (que agora era Lili) viraram bons amigos, e durante anos permaneceram assim; compartilhando momentos, amigos, festas, piadas, risadas, cervejas, se sentindo felizes ao descobrir a presença um do outro onde quer que fossem. Sem notar se sentavam próximos quando a mesa do bar era comprida o suficiente para haver a possibilidade de ficarem afastados e não poderem falar sobre o que parecia interessar só a eles dois. E talvez seja por isso que hoje conheçam um ao outro tão bem, e continuem a compartilhar tudo isso. Lili e Leo viram de fora o que não se pode ver quando se está do lado de dentro.

   Hoje eles estão sentados juntos no sofá que é só deles, em um cantinho do Ingá de onde vislumbram por uma fresta se abrindo o futuro que está por vir. E eles querem celebrar isso com as pessoas que tem importância fundamental na vida deles e na de suas famílias, ou seja; você que está lendo esse texto. Bem-vindo ao ínicio de um sonho planejado com muito carinho, Bem-vindo ao casamento de Lili e Leo! 

                                                         

                                                           Leonardo & Ligia